quinta-feira, 30 de novembro de 2017

TELONA QUENTE 213


Roberto Rillo Bíscaro

É bem grandona a lista de filmes de horror que retratam como se dão mal pessoas que cometem a bobagem de sair do Primeiro Mundo pra se aventurar no Terceiro. A selva do Peru, cultos na América Central, hostels na Eslováquia (Europa Oriental não é Primeiro Mundo) enfim, o primitivismo com que somos associados (Brasil não é Primeiro Mundo, né?) é potente no mundo Horroroso.
Quando selecionei Aftershock (2013), no menu da Netflix, nem pensava nisso. Tudo que queria era ver um disaster film fora do eixo Nova York-Los Angeles. Se A Onda foi legal, quem sabe um terremoto no Chile também não poderia ser? A sinopse apontava pra isso e não estava errada, apenas não assinalava que a película seria mistura de horror em clima de filme de sobrevivência pós-apocalítica bem ao estilo lixo, de produtoras como a legendária Troma. A presença de Eli Roth no elenco deveria ter me alertado que o negócio não seria muito bem comportado.
Em filme-catástrofe, às vezes quase dois terços são gastos com exposição e construção de suspense (redundante, porque escolhemos o filme X, pois sucederá um tsunami). Isso tem a ver com economia orçamentária, mas também tem a função de domar o espectador sobre quem deve gostar, pra quem torcer, com quem se emocionar e anestesiá-lo pras dezenas de outras mortes, que podem constar na categoria “divertida”, porque é de personagem que “merece” perecer ou de figurantes e, quem não conhecemos pode se ferrar que tá de boa!
Em Aftershock, um terço ou mais da parte inicial é usada pra mostrar os amigos se divertindo à beça na colorida e praiana Valparaíso. Estabelecem-se os arrogantes, cusões, piranhas, enfim, todos os que podem morrer e não ligaremos, porque são ou fizeram algo “desabonador”. Há uma final girl que só faltava ter isso tatuado na testa; há o papai com filhota em Los Angeles, ou seja, tem gente “de bem”.
Daí, ocorre o terremoto, mas em na estrutura de Aftershock a apresentação não vale pra absolutamente nada. Não é exagero; você pode tranquilamente botar o filme pra rodar e fazer qualquer outra coisa, porque todo esse tempo não constrói ou prepara pra nada. Comece a prestar atenção, quando a discoteca tremer.
Quem sabe leituras acadêmicas não possam ser feitas no sentido de interpretar todo o introito preparatório como metáfora cínica pós-verdadeira de que nada prepara ou atenua ou justifica nada? Mesmo que assim o seja, a estrutura de Aftershock é cerzida, porque tempo demais é perdido numa exposição que leva a nada.   
O terremoto propicia a fuga de presos, então Aftershock vira exploitation film anos 70, com violência, estupro e nojeira barata. E nenhuma informação disponibilizada na parte pré-terremoto – mal-gravada a ponto de parecer vídeo feito com celular – terá importância no pós-catástrofe, porque o foco é em ver morte sem distinção.
Tem filme que ganha respeitabilidade de parcela “cabeça” de cinéfilos, porque é tão ruim que vira bom; sabe aquela vibe Plan 9 From Outer Space (1959)? Aftershock é tão ruim que não vira bom, mas quem ama mambembice trash pode gostar. Ri gostoso em algumas partes. 

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

BEIJADOS PELO SOL - II


O autor Rogério Andrade discorre sobre o tema em sua nova obra, que leva o título Beijados pelo Sol

No mês da Consciência Negra, o Tarde Nacional recebe o escritor Rogério Andrade para falar sobre seu novo livro, “Beijados pelo Sol”. O professor e contador de histórias discorre sobre os casos de albinismo na África e a perseguição que pessoas albinas sofrem naquele continente. 

Na entrevista, ele também fala sobre a história oral do povo africano e suas pesquisas mais recentes. Comenta, ainda, a escravidão no Brasil e a dívida social que o país tem com os afrobrasileiros. 

Rogério Andrade foi professor voluntário pela ONU na África por dois anos.

Para ouvir a entrevista, acesse o link:

terça-feira, 28 de novembro de 2017

TELINHA QUENTE 287

Roberto Rillo Bíscaro

Comparadas a outros gêneros, comédias são meio raras em minha dieta ficcional de qualquer plataforma. Já resenhei sitcoms tipo 3rd From The Sun, Hot In Cleveland, The Golden Girls e até algumas temporadas de séries desistidas, como Mike and Molly. Não destituído de senso de humor, identifico-me mais, de geral modo, com certa vertente meio “malvada” de humor britânico, que acho irônico, mordaz, autodepreciativo, polimorficamente perversinho. Mesmo assim, também não vejo muito, mas quando o faço, curto, como com Twenty Twelve. Mas, prefiro dramas, thrillers, horror, policiais e eles predominam.
Há meses, olhando o cardápio da Netflix, constatei que disponibilizava as 3 curtas temporadas de Cuckoo, exibidas pela BBC Three a partir de 2012. Como existe a opção de assistir off-line, baixei tudo pra ver no tablet, naquelas horas ocas de espera pelo horário de pegar a van pra voltar pra casa, percursos de ônibus e afins. Como sitcom tem duração inferior a 30 minutos, é conveniente. Minha escolha por comédias é bem utilitária.
Que acertado pra passar o tempo! Cuckoo preserva certa excentricidade tipicamente inglesa, enquanto a adequa pra ser mais palatável, sem cair na padronização globalizante que deixa tudo ianquizado. A menção aos EUA não é mera farpa colonial; o país é capital na trama da série.
Quando o casal Ken e Lorna Thompson vão ao aeroporto buscar sua sem-sal filha Rachel, descobrem-na casada com um estadunidense new age, que não curte muito trabalhar, fala sobre paz e amor o tempo todo, enfim, um hippie em meio ao neoliberal cenário das Middlands. O contraste desse anacronismo ambulante, mais as patetices do filho boca-suja e escroto Dylan e dum casal de amigos, compõem o humor de Cuckoo, nome do marido de Rachel. Nas temporadas 2 e 3, a personagem não aparece, porque o ator Andy Samberg devia estar ocupado em seu país-natal com Brooklyn Nine-Nine. Cuckoo desaparece no Himalaia, mas em seu lugar aparece o filho - que vivera isolado num bizarro culto asiático e depois na máfia chinesa - mantendo o mesmo nível de nonsense domesticado que seu genitor garantira. Pras leitoras e leitores gays (acho que agora o termo da moda é “não-binário, correto?), o bônus é que Dale é simpaticamente interpretado por Taylor Lautner, da séries Crepúsculo e outras adolescentices. Claro que jamais ouvira falar dele, mas achei-o bom.
É que essa parte do Cuckoo e seu filho era o que menos me interessou. Lógico que parte fulcral da trama e do humor origina-se da idiotice das personagens ianques (tem vingança colonial; e vingança ex-metropolitana existe?) e até me acostumei com Dale pai e depois filho. Mas, do que gostei mesmo foi dos Thompsons (exceto Rachel que é uó de nada a ver!), especialmente do papai Ken, advogado gigantesco, que sempre faz merda; de Dylan mandando os pais tomarem no rabo o tempo todo; de Steve Chance, o amigo escroto que todo mundo detesta; e do resto do universo inglês.
Ou seja, pra variar, o que me atraiu mais foi o criado supostamente pra ser periférico à história do invasor norte-americano. E isso, porque há momentos bem doentinhos de humor negro inglês, como quando Ken acha que seu velho chefe se masturbara vendo um vídeo de Rachel transando na despensa da firma de advocacia. A revelação da verdade, numa reunião onde se celebrava a promoção de Ken é tão politicamente incorreta... Ou quando um molho estragado de batatas recheadas faz uma rave caseira acabar em vomitaço e Dylan... bem, assistam pra ver, mas envolve o sistema excretor.
Cuckoo pode ser acusado de meio que aguar certa particularidade hardcore atribuída ao suposto “humor britânico”, mas qual nacionalidade de humor não tem seu quinhão de vulgaridade? O que fica é que quem curte escapar do que “todo mundo está vendo” e gosta de ser excêntrico na medida, tem que descer ao porão da Netflix e ver Cuckoo. É muito gostoso.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

CAIXA DE MÚSICA 293


Roberto Rillo Bíscaro

Fãs de rock progressivo sinfônico com farto uso de teclados vintage, tipo Hammond, Moog e MiniMoog, além de instrumentos raros, como cravo, dulcimer e glockenspiel, certamente estão familiarizados com a sonoridade ultra-anos 70 do Wobbler.
Formado em 1999, na pequenina Hønefoss, hoje o Wobbler está sediado em Oslo, capital de seu país natal. A formação conta com Lars Fredrik Frøislie (teclados), Kristian Karl Hultgren (baixo), Martin Nordrum Kneppen (bateria e percussão), Andreas Wettergreen Strømman Prestmo (vocais, guitarra, glockenspiel, percussão) e Geir Marius Bergom Halleland (guitarra e vocais).
Apesar de influenciados por prog mais moderno escandinavo, à Anglagard ou Anekdoten, os noruegueses sempre tiraram sua força muito mais da safra prog clássica inglesa e italiana, como atesta magistralmente seu quarto álbum, From Silence to Somewhere, lançado dia 20 de outubro.
Versando sobre temas como alquimia e metamorfose, o quinteto voltou mais intenso e sombrio, mas sem soar heavy prog. É o mais puro sinfônico contemporâneo – aquela síntese dialético-alquímica de tantas bandas-influência – para amantes de perícia técnica e de estrutura beirando o rococó. As quatro canções abundam em lirismo, grandiloquência, superposição de instrumentos, câmbios repentinos de andamento e textura.
Os quase 21 minutos da faixa-título abrem o álbum com intensidade e força dignas de um Relayer, no sentido do turbilhão corrediço e bombástico do instrumental, que, se claramente evoca o Yes, não para por aí. Como o melhor sinfônico pós-moderno, o Wobbler sabe que não pode desperdiçar a tradição na qual escolheu estar. Assim, a excelência da canção vem também pelo fato de às vezes num mesmo momento presenciarmos a coexistência de dois modos de executar o prog sinfônico. Algo como pensar em mashups de Genesis e Gryphon, de Jethro Tull com ELP e diversos outros. A flauta empresta ar folk durante vários minutos e bem no meio há interlúdio de calma meio experimental à King Crimson.
Depois de longa cavalgada emocional é necessário desadrenalizar e o madrigal mimoso de Rendered In Shades Of Green cumpre essa função em seus modestos dois minutos, antes de nos precipitar para novas, elétricas e eletrizantes torrentes sônicas.
Fermented Hours abre psych, com harmonia vocal chupada de Yes e guitarra pesada, apetecível até para fãs de Led Zeppelin ou Black Sabbath. Alucinante descreve mais ou menos corretamente uma canção que intercala esses momentos mais heavy prog com outros mais longos de sinfônico-virtuose que flerta com flamenco, teclado à Supper’s Ready, ELP, PFM.
O fecho de mais de treze minutos é Foxlight, que começa com outro momento de relaxamento para que o ouvinte se refaça da extravagância anterior. Mas isso dura apenas uns quatro minutos de clima pastoral meio Celeste, Genesis, daí há ponte flamenca que nos devolve ao drama de alto nível do prog sinfônico que medievalizará, será folk, será torturantemente intrincado. E um clássico instantâneo acaba.
From Silence to Somewhere tem tudo que detratores do prog sinfônico adoram jogar na cara de orgulhosos fãs do subgênero. Seu rigor formal é tamanho, que merece ser entronado no rarefeito panteão reservado para obras do calibre de Close to The Edge ou Days Of Future Passed.
Outra banda que você não pode alegar ser inacessível; olha só a discografia completa no Bandcamp!

sábado, 25 de novembro de 2017

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

TELONA QUENTE 212


Todo Dia Ela Acorda e Faz Sempre Igual

Roberto Rillo Bíscaro

As grandes vedetes do lucro na indústria cinematográfica este ano são filmes de terror. A maioria tem baixos orçamentos e quando bem-sucedidos multiplicam os investimentos feito coelhos, diferentemente dos blockbusters milionários que precisam de muito público no mundo todo pra dar lucro. 2017 teve até filme de horror conquistando status de “filme sério”: há quem cogite que Corra! pode receber indicação a algum Oscar.
O mais recente tira-fôlego de caixa-registradora é A Morte Te Dá Parabéns, que com uma fração do orçamento, já bateu nas bilheterias o queridinho cult Blade Runner sei lá o quê, além de ter dado sova nos super-heróis na relação custo-benefício.
Escrito por Scott Lobdell e dirigido por Christopher B. Landon, Happy Death Day é ágil, divertida, original e esperta variação do subgênero slasher. A entojada Theresa revive repetidamente o dia de seu assassinato por um maníaco mascarado. Mistura de Pânico (1996) com Feitiço do Tempo (1993), A Morte Te Dá Parabéns foca na tentativa da jovem em quebrar o ciclo, que ela logo percebe não poderá ser eterno. Assim, embora algumas mortes colaterais ocorram, esse slasher basicamente consegue ser do subgênero matando apenas uma personagem. É algo como a história duma garota lutando pra ser a final girl, elemento consagrado da convenção slasher.
Moralista por natureza, o horror já não pode mais punir não-virgens em 2017, assim, em A Morte Te Dá Parabéns, a redenção de Theresa poderá ocorrer se ela deixar de se achar. Ou não. E isso será mais um ponto pro roteiro.
O público-alvo de filmes de horror é a adolescência e Happy Death Day consegue satisfazer muito bem essa fatia de mercado, com seu elenco bonito, atuando bem, com trilha-sonora maneira.
O resultado tem munição pra atirar e acertar em um monte de gente; desde público teen que quer comer pipoca e zuar no cinema com a galera, até fãs outonais, que poderão curtir mais essa mutação do bem no subgênero slasher e torcer pra que gere nova modinha de assassinos mascarados.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

CONTANDO A VIDA 213

VELHOS E NOVOS ESTEREÓTIPOS POLÍTICOS: voto popular e Venezuela.

José Carlos Sebe Bom Meihy


A complexidade da compreensão cultural do povo brasileiro mostra-se a cada vez mais intrincada. A medida em que se mergulha na busca de entendimentos de manifestações individuais ou coletivas, vive-se o significado clássico do “só sei que nada sei”. É assim mesmo, e bom que seja dessa forma. Embrulhado é quando fechamos conversas explicando detalhes da vida, como se fosse possível dar conta de lógicas subjetivas, arraigadas no subterrâneo profundo da História. Não se afirma, contudo, que os esforços sejam inúteis. A ciência – em particular as ciências sociais - se organizam nesse sentido, e louva-se o ordenamento metodológico que preza o conhecimento racional, formal, cumulativo, como dimensão instruída da opinião pública. Aliás, é exatamente essa premissa que nos convida ao direito de acesso à crítica. Fala-se, portanto, da sagrada prerrogativa de todos terem escolas disponíveis, livres, abertas e acessíveis.


O enunciado desta crônica remete a um dos pontos mais instigantes do atual momento político nacional: o direito universal ao voto. No Brasil, tal condição apenas foi definida na Constituição de 1988, que aliás coroou a Abertura Política. Pode-se dizer que, de forma cabal, apenas com a atual Constituição se colocou termo no golpe civil/militar iniciado em 1964, definido pelos atos autoritários do que eufemisticamente se chamava “revolução”. Sem dúvida, entre alguns avanços, o voto do analfabeto foi a grande virtude conquistada. Antes, iletrados teriam que pagar impostos e demais encargos cidadãos, mas, votar lhes era impedido. Essa arcaica percepção decorre de uma esclerose diretiva que supõe que apenas quem sabe ler, escrever e contar tem domínio das faculdades decisivas comunitárias e nacionais. Os outros não. Decorrência natural dessa excrescência conceitual, quem tem curso universitário, por perverso e assassino que seja, até merece ter prisão especial. O absurdo dessa norma – que desmente a igualdade de direitos – tem por princípio privilegiar a cultura escrita, hierarquizando saberes, excluindo peremptoriamente os demais.

A proximidade do novo processo eleitoral, importante como todos os outros anteriores, traz à flor d’água o velho debate sobe quem sabe/pode votar, ou não. E assim emerge o mais agudo de nossos defeitos políticos, o direito de usar o conceito de “povo” como argumento seletivo para reivindicar a capacidade eleitoral de correntes contrárias a “nossa” opinião. Recuperando os mais arraigados princípios da soberania pela equivalência do grau de escolaridade e capital acumulado (lembrando que por muito tempo só poderia votar e ser eleito quem tivesse posse de terra), ousamos dizer com a boca cheia que “povo não sabe votar”. Como se os “cultos” fossem melhores, honestos, preparados para o comando de todos, excluía-se mecanicamente o “povo” da potência decisória nacional. Dois pontos merecem destaque nesse artifício aberrante. O primeiro diz respeito ao não reconhecimento do direito a escola por meio de cotas. Exatamente para que todos tenham, democraticamente, direito à educação formal, postula-se o livre trânsito letrado. Outro ponto permite constar que a classe média, justamente pessoas que se valeram dos benefícios gerais do estado, se aparta do composto coletivo quando percebe direcionamento diverso do seu, em termos de preferências eleitorais. Dá-se então o quase cômico contraditório: quando as manifestações públicas e coletivas são coerentes com os desideratos da classe média, então “somos povo”, e juntos vestimos a camisa da seleção de futebol, empunhamos bandeiras e cantamos as toadas desdobradas desde o velho “este é um país que vai pra frente”. O reverso se dá quando se nota que o “povo” tem posições que não condizem com o coro pretendido, e, nesse caso vale o conveniente “povo não sabe votar”. Nessas circunstâncias, aliás, evoca-se o chavão eternamente útil que apregoa “que a educação salva”, entendendo por educação o acesso à escola. Lembremos que o direito à escola, constitucionalmente estabelecido, é exatamente negado quando se fala de cotas para desfavorecidos social e etnicamente.

Em meio ao carnaval de confusões, uma novidade ganha corpo: “o Brasil vai virar Venezuela”. Na realidade, esse pressuposto alarmista tem certa idade, pois atualiza o que foi na geração passada Cuba e antes a União Soviética. Por trás da ignorância arrepiante sobre História e condições geopolíticas, esconde-se um maldoso fator que aterroriza a nossa incipiente classe média: o medo. Revivescendo o infantil pânico causado pelo comunismo ou pelo socialismo em qualquer versão, pessoas que temem a democracia plena, e em cega defesa própria, exercitam o que não conhecem, favorecendo assim fantasias improváveis, soluções políticas adversas ao gosto nacional. O Brasil não tem e nunca teve vocação para regimes comunistas, socialistas ou correlatos. Jamais seremos a “nova Venezuela”, como nunca fomos Cuba, China, Armênia. Nosso perfil histórico é outro, e se deixarem abertas as comportas das eleições poderemos sim encontrar o caminho sempre interrompido por segmentos que temem o povo e lhes negam condições que, afinal, consagram o dito “a voz do povo é a voz de Deus”. Só há democracia com o pacto consagrado em eleições livres. E que não seja agora que fundamentalistas que confundem os democratas intransigentes com a existência de uma esquerda radical entre nós. Somos povo e pronto. Queremos democracia ampla, direito de voto respeitados de todos, para todos e por todos.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

TELINHA QUENTE 286


Roberto Rillo Bíscaro

Outra forma de denominar o Nordic Noir – filmes, séries e livros policiais produzidos nos países escandinavos – é Scandi Noir. Como diversos países vem tirando casquinha desse estilo narrativo gélido, surgiram derivados, como o Celtic Noir, quando as produções são na Escócia ou País de Gales, caso das excelentes Shetland e Hinterland (esta última, disponível na Netflix).
Em janeiro deste ano, os seis capítulos da primeira temporada de Cardinal, produzidos pela canadense CTV ensejaram a criação de novo derivado, o Can Noir. Encenada no norte do país, neve é o que não falta nessa adaptação dum romance de Giles Blunt, que tem uma série de livros protagonizados pelo problemático e macambúzio detetive John Cardinal.
A descoberta dos restos mutilados e congelados duma garotinha reabrem a investigação de seu desaparecimento e agora assassinato. O calado e metódico Cardinal fora afastado do caso, quando do sumiço, mas a descoberta do cadáver o traz de volta e reacende sua obsessão, que apenas aumenta, quando se constata que há assassino serial agindo na pequena cidade gelada. Como parceira, Cardinal ganha Lise Delorme, realocada do departamento de crimes financeiros. O que John ainda não sabe, é que a moça tem agenda própria.
Cardinal, a série, começa meio morna, apesar do gelo da ambientação – como se não bastassem os capotes e toneladas de neve, a música incidental é bloco de gelo ameaçador e triste, ainda que presente em cenas desprovidas de suspense. Sabe aquela história de tentar criar clima onde não tem, tipo na temporada primeira de Slasher? Mas, tudo melhora sensivelmente, quando o serial killer entra em ação no segundo episódio. Daí, o negócio engrena e a série fica bem tensa e doentia.
O romance original chama-se Forty Words For Snow, enfatizando então a frialdade do local, sempre muito importante em Noirs Nórdicos e nesse Can Noir também, óbvio. Como a ideia é adaptar outros livros de Blunt, a série ganhou o nome do detetive e aí reside o maior pecadilho de Cardinal. Por mais que tenha se esforçado, o roteiro não consegue fazer com que nos importemos com John e seus problemas, como acontece em qualquer versão de  Wallander ou na modelar River (disponível na Netflix). Billy Campbell – da fraca adaptação ianque pra Forbrydelsen – é apenas um meganha calado com problemas, tão frio quanto a paisagem. Isso não elimina Cardinal como série assistível, mas não justifica que leve o nome do detetive. Fãs de Revenge amarão ver Karine Vanasse como parceira de John e mais interessante que ele, aliás. Karine era a Margaux LeMarchal (nome chiquérrimo!) da novelona de vingança de Emily Thorne.
Se você tem Netflix e quer série que te dê frio na espinha pela ambientação e depressão, veja primeira a islandesa Trapped, recentemente adicionada ao serviço de streaming. Caso já a tenha visto, vá pra Cardinal com segurança, vale a pena. Mas, veja as duas.
Cardinal foi renovada pra mais 2 temporadas. Seguro que verei a segunda.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

CAIXA DE MÚSICA 292


Roberto Rillo Bíscaro

Durante os anos 80, um senhor barbudo com voz rouca e parecendo um anão de jardim, conquistou-me diversas vezes com baladas, temas de filmes e novelas globais: Up Where We Belong, Edge Of a Dream, Even a Fool Would Let Go, Don’t You Love Me Anymore são amadas e escutadas até hoje. Provavelmente a coisa mais “pesada” foi o R’ n’ B meio domesticado de Unchain My Heart. Pelo Som Pop ou símile já ouvira o definitiva cover de With A Little Help From My Friends, dos Beatles, que entrou de vez pro imaginário de muitos atuais 50tões brasucas, por ser tema de abertura da série Anos Incríveis. Mas ouço/adoro muito mais as baladas.
A escassa mídia à mão naquele tempo aqui no interior afirmava que o melhor de sua carreira já passara, e que o britânico a destruíra devido ao abuso de substâncias químicas. Nunca me importei em saber detalhes ou conhecer muito além do mencionado. OK, You Are So Beautiful tocava sempre nos programas de flashback (recentemente ainda a ouvi num carro sintonizado num desses programas), mas, quando desisti de ouvir rádio em algum momento dos 90’s, perdi contato com Joe Cocker. Sabia que lançava álbuns, percebi que seu visual ficava cada vez mais domado – tipo de senhorzão alinhado mesmo – mas não escuto nada “novo” há uma geração. Soube que participou do jubileu não sei do que da Rainha, compartilhei vídeos de minhas baladas favoritas, quando morreu de câncer no pulmão, em 2014, mas Joe pertencia aos cristalizados anos 80
Creio que assim permanecerá; suspeito que jamais pintará ímpeto de conhecer muito do que veio antes ou depois. Mas, isso não seria motivo pra eu deixar escapar Joe Cocker: Mad Dog With Soul, documentário deste ano, da Netflix, que traça perfil bem chapa-branca do fã de Ray Charles e Aretha Franklin, nascido na industrial Sheffield. Os 90 minutos de depoimentos e imagens de arquivo funcionam mais como tributo (merecido) e cronologia pra quem deseja conhecer medianamente sua carreira.
Catapultado ao semi-endeusamento pela seminal performance em Woodstock, Cocker começou megaturnê pelos EUA, onde não ganhou dinheiro, mas era tanta doideira que afetaria sua vida pessoal por décadas, porque foi nela que o cantor se viciou em tudo quanto lhe davam. A partir daí, amigos, parentes e colaboradores pintam boa autoimagem, além de construírem Joe como alma extremamente gentil, incapaz de dizer não ao que lhe empurravam goela ou nariz abaixo; incapaz de lidar sobriamente com as tais pressões do estrelato e do show bizz. Enfim, é a visão goethiana do artista genial consumido pela arte. Nem o feroz mercado fonográfico parece ter culpa alguma: como Cocker era sensível e afável demais, era antena pronta pra captar quaisquer vibrações negativas.
Psicologicamente é retrato por demais raso e o coloca mais como receptor do que como agente. Rita Coolidge afirma que na primeira turnê Cocker chegou a ser ameaçado fisicamente pelos organizadores, quando tentou desistir. Quando é preciso dizer que despediu seu empresário de anos por carta e nunca mais falou com ele novamente, a coisa fica só nisso. Joe era impulsivo, decidia algo e pronto, não há análise. Até parar de beber foi assim; bateu um clique depois de velho e parou facilmente. Fodástico, heim?! Joe Cocker: Mad Dog With a Soul não vira tabloide, porque evita mergulhar no lado sombrio; mostra apenas a superfície.
O documentário jamais entrará pra listas de mais influentes sobre roqueiros, mas se você, como eu, só queria mesmo um panorama da carreira, até que serve. 

domingo, 19 de novembro de 2017

OUTRO MONSTRO ALBINO?

Rampage: Destruição Total | The Rock e gorila albino gigante no primeiro trailer do filme


Rampage: Destruição Total, adaptação do game homônimo estrelada por Dwayne "The Rock" Johnson e Naomi Harris, ganhou o seu primeiro trailer.

Johnson interpreta o primatologista David Okoye, que tem uma grande amizade com o gorila branco George. Porém, um experimento genético transforma o animal em um grande monstro, junto com outros predadores ao redor da América do Norte. Okoye então se reúne com um engenheiro genético desacreditado para criar um antídoto e salvar seu amigo.

A estreia é prevista para 20 de abril de 2018.

sábado, 18 de novembro de 2017

BEIJADOS PELO SOL


A denúncia sobre a perseguição e agressões contra os negros portadores de albinismo em alguns países da África é o ponto de partida do livro Beijados pelo Sol, lançamento da Editora do Brasil

Especialista em temáticas africanas, o escritor Rogério de Andrade Barbosa escreveu “Beijados pelo Sol”, após conhecer o sofrimento dos portadores de albinismo na África, onde relatórios oficiais indicam 129 pessoas assassinadas e 181 mutiladas em 23 países daquele continente até 2014.

Barbosa visitava a África em busca de subsídios para outros trabalhos, quando se comoveu com a perseguição sofrida por crianças albinas, que têm partes do corpo retiradas e usadas em rituais de magia, cujos praticantes acreditam que o membro ou corpo de um albino, pode trazer força, sorte ou azar. A prática movimenta um comércio clandestino, no qual um membro pode custar 2 mil dólares e um corpo inteiro, 75 mil dólares.

No livro, Barbosa relata a história de um garoto, Kivuli, que nasceu com albinismo, no interior da Tanzânia, país com incidência de albinismo na África. Kivuli tentava entender a diferença com os amigos e sabia dos riscos que ele corria, até de morrer. Tudo, só porque era diferente dos outros. Ele se protegia do sol na sombra das árvores ao ir para escola, mas um dia foi sequestrado e levado para longe.

A narrativa do escritor presenteia o leitor com um ‘thriller’ de suspense, perseguições, fugas e superstições, num ritmo de aventura com a luta e fugas do herói juvenil para se libertar. Essa movimentação faz com que o leitor, especialmente o mais jovem — alertado pela gravidade da denúncia e do perigo que envolve o personagem principal— se prenda ainda mais ao livro, interessado no desfecho da história.

A ideia é fazer com que a história de Kivuli sensibilize e sirva de alerta e inspiração para as pessoas que lutam contra o preconceito e pela igualdade e respeito, mesmo para quem é diferente. No Brasil, por exemplo, onde é maioria, a população negra ainda sofre todo tipo de preconceito.

Na África, os portadores de albinismo, além das mutilações de mãos, pés, cabelo, olhos e outras partes do corpo, também sofrem com outros tipos de ataques e agressões menores, como o bullying, tipo de agressão que também é registrada em outros países e continentes.

O livro conta com apresentação da jornalista Patrícia Campos de Toledo, autora de reportagem especial sobre o assunto no jornal Folha de S. Paulo.

As ilustrações são de John Kilaka, que nasceu e mora na Tanzânia e é um artista premiado na Europa e na África. Ele usa em sua arte a tradição da “tingatinga”, um estilo imortalizado por um artista da Tanzânia, para conferir um colorido especial às ilustrações.

Beijados pelo Sol

Autor: Rogério Andrade Barbosa

Ilustrações: John Kilaka

Formato: 14 × 23 cm

Número de Páginas: 72 páginas

Preço sugerido: R$44,80

Sobre o autor: Rogério Andrade Barbosa é professor, contador de histórias e escritor. Formado em letras pela UFF, fez pós-doutorado na UFRJ. Foi durante dois anos professor voluntário a serviço das Organizações das Nações Unidas (ONU), em Guiné-Bissau, na África. Desde então, dedica boa parte de sua carreira ao estudo da história e literatura oral do continente Africano. Em 30 anos como autor de Literatura Infantil e juvenil, publicou mais de 100 títulos; alguns deles traduzidos em vários países, como Alemanha, Argentina e Espanha. Foi premiado pela Academia Brasileira de Letras (ABL), em 2005, e o Prêmio OPri 2007, da Secretaria da Cultura do Rio de Janeiro.

Sobre o ilustrasdor: John Kilaka nasceu em Sumbsbawanga, sudeste da Tanzânia. Aos 21 anos se mudou para a cidade de Dar es Salam para aprimorar os estudos. É artista há mais de 26 anos e suas obras já foram expostas em diversos país, com Suíça, Alemanha, Dinamarca e Suécia. Ilustrou livros infantis e escreveu histórias que obtiveram sucesso e premiação internacional e foram traduzidas para muitas línguas. Também ministrou cursos e oficinas de arte, além de participar de projetos de leitura, um dos quais ensina crianças órfãs a contar e a escrever histórias para livros infantis, ajudando-as a desenvolver habilidades na escrita. É um projeto bem-sucedido, pois toda a renda com a venda dos livros é revertida para elas. E tudo isso promovendo a literatura! Até agora foram 14 obras publicadas em três idioma: swahili, inglês e sueco.

Sobre a Editora do Brasil: Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação. Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infantojuvenil. Foi fundadora da CBL, SNEL, FNLIJ, IPL e da Abrelivros. Os títulos estão disponíveis para comercialização por meio da loja virtual da Editora Brasil (https://www.editoradobrasil.com.br/lojavirtual/detalhe.asp?CODIGO=74250102211) ou nas lojas físicas, em São Paulo (Rua Conselheiro Nébias, 887 – Campos Elíseos, São Paulo – SP), Rio de Janeiro (Rua do Bispo, 150 – Rio Comprido-RJ) e Natal (Rua dos Caicós, 1533 – Alecrim, Natal- RN).

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

PAPIRO VIRTUAL 118


Roberto Rillo Bíscaro

Gutemberg é o grande responsável pela literatura barata em mais de um sentido. A produção em massa cada vez maior, aliada a crescente alfabetização e sede por entretenimento, há séculos vem despejando jorros de histórias rápidas, sensacionalistas e frequentemente viciantes. Folhetins rocambolescos, penny dreadfuls, dime novels, a quantidade de gente escrevendo por migalhas pra ser vendido por mixaria é caudalosa.
Mais ou menos entre a década de 1920 ao fim da de 40, ocorreu o apogeu e desmonte da pulp fiction, assim denominada porque os livretos eram feitos com polpa de celulose, por isso custavam centavos. Na época da Depressão trintista isso seria mão na roda pros milhões sem grana, que queriam escapar um pouco da realidade horrenda do desemprego, mediante fartura de subgêneros: as revistas de pulp fiction flutuavam pelo western, horror, ficção-científica, policial detetivesco, fantasias, aventuras (que tinham subgêneros dentro do subgênero, como aviação, egiptologia etc) e até pornozinho soft.
Pulp Fiction: The Golden Age of Sci Fi, Fantasy & Adventure, também subtitulado The Golden Age of Storytelling (2010) começa a dar conta desse universo esnobado pela crítica literária, mas guarda armadilha que precisa ser desarmada, pra extrair a polpa.
Na pulp fiction começaram autores importantes como Dashiel Hammett, Raymond Chandler, Ray Bradbury, Isaac Asimov, Arthur C. Clarke, H. P. Lovecraft. Mas, o documentário não perde a oportunidade de insistentemente incensar o medíocre L. Ron Hubbard, prolífico pulper, mas muito mais badalado por meia Hollywood como criador da igreja da Cientologia. Então, cuidado: o documentário é propaganda subliminar ma non tropo dessa arapuca religiosa.
Uma vez protegido do proselitismo disfarçado, o documentário pode ser curtido como introdução a esse universo de papel barato e capas chocantemente coloridas em cores primárias. Luke Skywalker e Indiana Jones são netos cinematográficos dos incontáveis heróis da pulp fiction; os queridos detetives deprês do Nordic Noir são filhos de Sam Spade e Philip Marlowe, por sua vez prole dos primeiros detetives beberrões e ásperos da pulp fiction. Heróis dos quadrinhos são migrações pulp.
No afã propagandista de defender seu herói, alguns comentaristas desnecessariamente detonam a “alta” literatura, embora quantos críticos eruditos desta não fazem o mesmo com a “cultura de massa”, não? Mas, é bem legal saber alguns detalhes da produção, como o salário de miséria pago aos escritores e ver a profusão de capas exibidas, provavelmente o quinhão mais saboroso do documentário.
Como o pop não poupa ninguém, a pulp fiction, que já era transformação de algo anterior, também metamorfoseou-se em serial, literatura em capa de papelão, daquelas abundantes em aeroportos; filmes, que disfarçam a pulpice com efeitos especiais; séries de TV e quadrinhos, também procurando camuflar sua matriz pulposa, mediante a criação de “mitologias”.


Assim, releve o engodo de Hubbard como escritor de importância e aproveite o lado cheio desse copo de pulp fiction, disponível no Youtube:

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

TELONA QUENTE 211


Roberto Rillo Bíscaro

A classe média é frequentemente objeto de sátiras e críticas por estar a meio caminho entre a destituição e a riqueza. Desfrutando do lado outlet do capitalismo; como os “pobres”, tem só sua força de trabalho pra vender, então não pode virar classe alta, mas desconjura ficar baixa.
Esse caminhar na corda bamba informa Showroom (2014), estreia na ficção do documentarista argentino Fernando Molnar, disponível na Netflix.
O ótimo Diego Peretti é Diego, que perde seu emprego por ser maduro e desanimado e se vê obrigado a deixar sua vida classe-média portenha pra viver no meio do mato numa ilhota na vizinha El Tigre. Seu tio é construtor bem-sucedido e lhe concede emprego de 12 horas diárias no showroom do Palermo Boulevard, torre de apartamentos chique, que Diego vende, mas não pode adquirir, embora não perceba isso. A pressão pra vender, a necessidade de sustentar a família, a longa jornada de labor acrescida do duro e tedioso traslado d’El Tigre a Baires literalmente alienam Diego da família e de si mesmo.
O cine argentino já provou diversas vezes a competência pra essas histórias mínimas, insistentes em flashes do cotidiano, que parecem dizer nada, mas contam parcela do mundo. Showroom pode não ser o melhor exemplo disso, mas é muito competente e interessante ao mostrar sem alarde – porque é assim mesmo que ocorre – a robotização de Diego e sua submissão inconteste a uma situação que elimina sua humanidade.
O problema de Showroom é que, como contraponto mal delineado da vida urbana capitalista selvagem, escolhe noção rousseauniana bom-selvagista bastante discutível. A ilha fluvial é apresentada como alternativa verde, onde a vida comunitária existe idilicamente, conquistando a filha e a esposa, no início resistentes em abandonar a cinzenta Buenos Aires. Mas o dinheiro que permite a subsistência das duas nesse paraíso livre de estresse é o do sucateamento de Diego. Isso jamais é problematizado e é uma dos grandes dilemas capitalistas.
Como showroom pra reificação de Diego, Showroom funciona bem, mas sua oferta de solução do problema ainda está no século XVIII. 

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

CONTANDO A VIDA 212

CRÔNICA DO NOME, SEM NOME...


José Carlos Sebe Bom Meihy

Como qualquer pessoa que vive no âmbito da cultura ocidental e aprendeu que a democracia, por pior que seja politicamente exercida, é o melhor sistema de governo, sempre execrei a figura de Hitler. As dificuldades de estudo sobre o terrível ditador ainda hoje me ocasiona bloqueios quase que insuperáveis. O mais complicado para mim, no entanto, sempre foi entender como as peças musicais de meu mais devotado autor de música erudita, Richard Wagner, tinham servido de base para que os pangermanistas formulassem a teoria da superioridade racial alemã. De toda forma, precisei superar os entraves para entender (e aceitar) que toda cultura é construída, e que no caso da música, tudo se complica, pois isso implica aceitar códigos bem mais sutis do que os permitidos pela linguagem escrita, objetiva e de certa concretude.


Foi assim que precisei dar alguma atenção à biografia de Wagner para ter alguma noção do papel social da música “clássica” como elemento de manipulação política. Dessa maneira, cheguei a um teorema existencial profundo. Dentre tantas óperas, Lohengrin contém a chave de alguns enigmas ligados ao folclore germânico. Uma das passagens mais importantes revela o dilema da personagem Elza que não poderia fazer nunca perguntas, mas se via compelida a saber o significado de seu nome. Aliás, toda história dessa ópera é interessante.

Em 1845, contando com 32 anos, Wagner adoeceu e com sérias complicações foi aconselhado a diminuir a rotina alucinante de criação. Indo às montanhas da Boêmia, numa região termal, retomou o enredo de uma lenda onde um misterioso cavaleiro, saído das brumas, chega a um porto desconhecido, em um barco negro conduzido por um cisne branco. Espiritualmente tinha recebido a incumbência de salvar uma donzela em perigo. Sem explicações, se apaixona por ela, mas é obrigado, por força inexplicável, a partir para sempre. É quando então ela relaciona seu nome ao destino. Em sua autobiografia, Wagner conta como concebeu o enredo e narra “eu tinha apenas entrado no banho termal, ao redor do meio-dia, quando o desejo irresistível de musicar Lohengrin tornou a assaltar-me violentamente. Incapaz de transcorrer sequer mais um momento dentro da água, precipitei-me imediatamente para fora e, vestido sumariamente, corri como louco para meu quarto, para começar a escrever o esboço em prosa do poema que tinha em minha mente. Este fato se repetiu nos dias subsequentes até que, em três de agosto, a inteira narração da nova ópera foi completada”.

Pensando na história de Elza, me veio à cabeça o sentido do questionamento sobre nossos nomes. Retomei também a consequência da escolha de nomes de nossos filhos. É muito sério pensar no peso disso, pois para sempre a pessoa batizada passará a ser designada dessa forma. Em paralelo, conclui que a melhor escolha, no mundo moderno, remete a nomes que podem ser reconhecidos em qualquer idioma como Daniel ou Marta, por exemplo. Seria mais complicado se fosse Antonio. Antonio: com acento? Mas qual, agudo, Circunflexo? E exigiria tradução e até apelido: Tom, Tony, Toninho... Seria ruim. Acho complicado também os nomes que evocam passagens triunfais como como Júlio César ou Napoleão.

Deve ser difícil alguém chamar Jesus, pensou? Para mim, seria uma cruz ter esse nome. O mesmo se repete no feminino: Madalena, Dolores, Piedade... a evocação de santos e santas também me perturba: Dimas, Domingos, Tadeu. Tereza, Fátima, Cássia... Deus me livre. Sei que José e Maria são as denominações mais comuns no Brasil, mas se pararmos para referendar significados, talvez, não fossemos tão insistentes. O mesmo se diz no nordeste de Cícero ou Damião, e entre os islâmicos Mohamed. Pode ser duro aceitar, mas carregar a fé de nossos pais é coisa alheia ao nosso destino. Não aprecio também as modernizações do tipo Cauã ou Kenzo, para meninos e Jacqueline ou Michele para as garotas. Por certo devo ser comedido, pois, quantos queridos assim são chamados.

Creio que me seria suportável nomes clássicos como: Heitor, Ulisses, Hermes. O fardo não me seria insuportável se a memória refrescada de alguns anjos, querubins – à exceção de Serafim – me servissem. Gabriel, Miguel ou Davi estariam de bom tamanho. Há santos ou heróis aceitáveis: Tomás, Tiago, Jerônimo, mas a maioria é estranha ou mesmo postiça. Interessantes também são algumas tradições que, contudo, não cabem mais e soam engraçadas. Chego e me encantar, por exemplo, com a tradição britânica que chamava as mulheres de Hillary, Melody, Happiness, ou ainda mais sutil Prudence ou Liberty.

Tudo isso decorreu da instigação dada por Wagner. É bom que pare por aqui, pois acho que o mesmo destino que levou Lohengrin a desaparecer pode significar o fim desta crônica que não tem explicação e nos deixa como Elza, sem resposta. Aliás, como ela, não deveríamos perguntar nada a quem nos deu a vida... e o nome...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

TELINHA QUENTE 285

Hoje é dia de dobradinha na seção de TV. Segredos e Mentiras é uma série bem legal, que mistura investigação policial com novelão. Tem na Netflix. Mas, o original é uma minissérie australiana, sabia? Bem legal também e com enfoque mais no caso policial. Leia sobre as duas.  

Roberto Rillo Bíscaro

Quem diria, Juliete Lewis se esforçou tanto pra ser cult no início dos anos 90 e terminou fazendo soap pra ABC! Nada contra, amo novelões norte-americanos (ou inspirados neles), mas não pude escapar de pensar nisso enquanto via as 2 temporadas de Segredos e Mentiras (2015-6), disponíveis na Netflix. Será que a já quarentona toparia fazer esses roteiros fracos (mas deliciosos), nos anos 90? Ou é porque os papeis pra cine estão minguando por causa da idade? Hollywood é implacável com a mulherada.
O que quer que tenha sido a razão pro aceite, Segredos e Mentiras já diz tudo o que é pelo título. Baseado numa minissérie australiana, a série começou pretendendo ser de investigação policial, mas sua alma sempre foi de soap opera. Na segunda temporada então, alucina, até com gentchy ryka sofrendo (amo!). Como Secrets and Lies é centrada nas investigações da detetive Andrea Cornell, a ABC pensou em dedicar cada temporada a um caso, mas a audiência não deve ter rolado a contento, porque só houve duas. Damn!
Na primeira dezena de capítulos temos a história da família de classe-média, os Crawford. Papai Ben sai pra fazer jogging perto do Natal e descobre o corpo do filhinho de sua vizinha no meio da floresta. Não demora pra situação virar contra ele, porque a Detetive Cornell suspeita-o como assassino, e quando Andrea encana, encarna como sarna. Pra tentar se livrar da acusação, Ben começa também sua investigação. A dele e a da polícia combinadas resultarão na destruição de várias vidas e famílias, porque o título é SEGREDOS e  MENTIRAS, né? É tudo rotina, as interpretações são algo ruins ou mornas, mas tem coisa divertida pra quem curte soap e mesmo quem gosta de histórias de investigação mais americanizadas, não no padrão europeu deprê do Celtic ou Nordic Noir. É bem consumo, com aquelas revelações tiradas do fundo do bolso do colete e aquelas deliciosas improbalidades de soap: o prédio da polícia é gigantesco (vemos cenas gravadas de drone), Ben tem que falar com Cornell, ele abre a porta do elevador e ela está na frente. Aliás, ela parece assombração, está em tudo quanto é canto a qualquer hora.
Até que gostei de uma detetive sem vida própria, como em produções mais antigas. Todas as series “sérias” de policiais duns tempos pra cá têm que lidar com os casos e as vidas pessoais horríveis dos detetives. Em Segredos e Mentiras, Andrea quase vive pro caso; aprendemos um fato de sua filha, mas é apenas pra compor melhor o sentido de justiça da detetive. Ela é uma pedra de gelo e vive pra prender assassinos.
Na segunda temporada, somos introduzidos mais a seus dilemas pessoais, mas não me importaram tanto quanto a investigação policial, ou antes, a história de revelações bombásticas de uma família rica, aparentemente perfeitinha, mas que se desintegra ao longo dos dez episódios. E olha que moderno, o clã rico é afrodescendente, embora o papaisão seja caucasiano  - mas o legal aí é o casamento birracial (pode dizer assim ainda ou é bi-étnico agora?). Moderno nada, deu certo protagonista negra em Scandal e família negra rica em Empire (parei de ver, enjoei) e Greenleaf (tentei 2 ou 3 capítulos, mas não curti o contexto), então a ABC botou uma em Segredos e Mentiras também.
No dia em que o macho Alfa ébano Eric Warner assumirá o controle da companhia fundada por seu pai, sua esposa despenca da cobertura e a robótica Andrea Cornell encasqueta que ele seja o culpado. No processo de buscar evidências de inocência e também pelo assassino da mulher, Eric desmantelará a família. Como o planejado era uma história por temporada, os roteiristas destruíram MESMO a família Warner. Do capítulo 5 ou 6 em diante, é porrada atrás da outra. Tipo, estava eu reclamando sobre como Terry O’Quinn (o diabão de 666 Park Avenue) era sub-aproveitado, quando uma daquelas reviravoltas malucas de soap me atingiu no estômago. Nossa, a-may! Pena que tem a história paralela do policial que quer encontrar sua filha piranha desaparecida. Who the fuck cares?
Segredos & Mentiras serve pra matar fome de quem tá com jejum de soap. Daqueles shows pra você ver só mesmo pra fugir da rotina. E pra descobrir os assassinos nem é difícil, mas quem se importa? Fã de soap quer emoções e isso os 20 capítulos me deram. Não é um Scandal ou Revenge do início, mas serve, porque casa 2 subgêneros que amo.

A minissérie australiana, exibida em 2014 pela Network Ten, é mais concisa que sua cópia ianque. Os 6 capítulos dispensam vários dos elementos de soap opera e desnecessidades pra concentrarem-se no drama provocado pelo assassinato de Tom, afinal, todo caso policial tem por trás e por diante um vale de lágrimas.
Certamente inspirado em Broadchurch, mas longe de ter seu clima lúgubre, Secrets and Lies apoia-se mais nos efeitos da suspeita em Ben e no consequente efeito cascata de infortúnios provocados pelas suas tentativas de provar a inocência. Como o roteiro não tem que lidar com nome tão graúdo como Juliete Lewis, o policial (na Austrália é homem) é tenaz, mas não precisa ser onipresente, potente e ciente, tanto é que Ben descobre a pessoa que perpetrou o crime juntamente com o Detetive Ian Cornielle. É a mesma que da releitura estadunidense, mas seu destino é distinto, porque a mini tem final fechado.
Bem atuada, roteirizada e produzida, Secrets and Lies não escapa dos atalhos televisivos pra prender audiências. Ben Gundelach é eficientemente interpretado pelo neo-zelandês Martin Henderson. Como ele é gostosão – já foi até médico de Grey’s Anatomy e todos sabem que lá é preciso ser bonito mais do que bom profissional – em 70% do tempo, aparece:
a)       sem camisa;
b)       de camisa aberta mostrando todo o peito;
c)        de camiseta bem apertada delineando os mamilos
d)       de camiseta regata suada, porque fazia jogging. Repararam que em filmes e séries todo mundo só faz jogging com camisa/camiseta/abrigo acinzentado pra realçar melhor as marcas de suor? Acho nojento, mas aparentemente muita gente goza galões com essas imagens.   
Nos restantes 30% ele não está na cena. É uma verdade universalmente aceita que um ator mostrando o físico interpreta melhor a “essência” da personagem, né? Correto que o clima australiano requer pouca roupa, mas os demais homens não aparecem sempre em trajes tão minimalistas...
Ironias a parte, o Secrets & Lies australiano é pra quem gosta de mistérios policiais e histórias de detetives. Sem imitar Noir algum, a Network Ten mandou muito bem.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

CAIXA DE MÚSICA 291


Roberto Rillo Bíscaro

Amo música negra norte-americana em sentido bastante amplo, mas inegável que meu xodó sejam as divas, basta checar o número de resenhas de álbuns de cantoras. Deve ser por isso, que mesmo com relação a vozes masculinas, meu período favorito da black music são os anos 70, quando os falsetes do Phily Soul imperavam. Ai ai, Stylistics...
Como o caráter desta página é inclusivo e meus gostos (mais ou menos) amplos, homens não estão aprioristicamente exclusos. Edificante. Mas essa não é toda a verdade. A curiosidade pra eu ouvir o segundo álbum do neo-soul man independente Darien Dean veio, porque Avery Sunshine participa em uma faixa.
Natural do estado de Nova York, Dean não faz sucesso de massa – elegível pra muso deste blog, então! – mas tem despertado atenções e críticas positivas no universo R’n’B. Compositor, produtor, engenheiro, o norte-americano estreou em LP, com o álbum If These Walls Could Talk e demorou 8 anos pra lançar o segundo, Departures.
É um trabalho muito conciso: descontadas a Intro e 2 remixes, há apenas 6 canções, de exímia qualidade vocal e arranjos solares. A menos marcante é a setentista Wonders e não porque seja ruim. Por Deus, não! É gostosura deslizante, mas ouvida tantas vezes que acaba não se destacando em relação às demais. Mas, nunca pulo, porque é delicinha e o nome lembra o cego Stevie, patrono inspirador de muita coisa aqui. Experimente a soul ballad Find a Way e veja se não tem cheirinho de Stevie Wonder.
Harmless tem jeitão de Southern Soul; devido à discreta guitarra bluesada e piano gospel. E presta atenção nessa voz, que em Someone Is You encontra par feito no Paraíso na potência modulada de Avery Sunshine. Há 2 versões: a primeira mais R’n’B spiritual e a segunda mais na praia da moçada acid jazz. Outra que aparece em dose dupla é Pieces, ápice de Departures, de humilhar a concorrência de tão bem cantada e arranjada: os violões latinos dão vontade de patinar com a cara metade no Central Park num dia de primavera. O remix não agrada tanto a fãs old school, como este resenhista, mas não está ruim.
All I Ask volta uns 17 anos na sonoridade black music, tem batida marcial e teclado onipresente, embora confinado ao fundo da mixagem. Bem diferente do resto e prova que Dean pode fazer coisa distinta. Provavelmente agradará a quem cresceu com o “peso” da produção oitentista. Boa, mas todo esse trampo na produção veio com um preço: os demais arranjos têm mais espaço pra "respirar”. Escolhas implicam em perdas e ganhos. Mas isso prum show deve ser catártico!
Darien Dean tem mais pra agradar à galera old school, o que hoje significa algo como “pessoal que curte soul anos 70, 80 e 90”. Não há rapper fazendo ‘uh hu, uh, ho, yo” ao som de arranjo pseudo-trap (nada contra, nada contra, calma!), embora na versão One Mo’ Piece, de Pieces, pareça que vai haver. Há granulados modernos suficientes pra agradar ouvidos contemporâneos abertos pra lindas harmonias e vocais.
E ainda por cima, não dá pra usar como desculpa o fato dele ser independente pra não ouvir. Ambos LPs estão no Bandcamp:

domingo, 12 de novembro de 2017

SUPERANDO A OBESIDADE

Mayara chegou a pesar 170 kg, mas decidiu mudar de vida para realizar o sonho de ser mãe. Veja a reportagem!

sábado, 11 de novembro de 2017

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

DESAFIOS DO AUTISMO

'Tenho medo do meu próprio filho': o desafio de lidar com crises de crianças com autismo



O desabafo é de Lucy Goldsworthy, mãe de Elliot, de 12 anos, diagnosticado com autismo severo no Reino Unido. Ele não fala, enfrenta dificuldades de aprendizagem e tem crises nervosas que já a deixaram com o lábio cortado e hematomas por todo o corpo. O pai, Ian, teve a córnea arranhada após ser atingido por um soco.


Em entrevista à BBC, pais como Ian relatam cenas de violência - e dizem ter muita incerteza em relação ao futuro. Muitos afirmam temer os próprios filhos e cobram das autoridades ajuda para lidar com a questão.

A Organização Mundial da Saúde estima que o Transtorno do Espectro Autista afete uma em cada 160 crianças no mundo - mas ele pode se manifestar em uma ampla gradação, de graus mais leves aos mais agudos. É importante ressaltar, porém, que nem todos os autistas são agressivos e que não há nenhuma evidência de que sejam mais propensos à violência.

A Sociedade Nacional de Autismo do Reino Unido ressalta, porém, que é necessário que haja assistência às famílias, em especial às de crianças que sofrem com crises agressivas mais frequentes.

No Brasil, a Associação de Amigos do Autista (AMA), que dá apoio a 350 crianças com autismo em São Paulo, também recomenda, em seu site, um tratamento multidisciplinar com orientação familiar, intervenções psicoeducacionais e uso de técnicas para desenvolvimento da linguagem e comunicação.
Ian Goldsworthy: 'Você meio que se acostuma em ver o quarto de seu filho parecer uma cela'

Crises nervosas normalmente acontecem quando há acúmulo de informações sensoriais simultâneas que elevam o nível de estresse do autista. A frequência, contudo, varia de pessoa para pessoa e também depende do espectro em que o autista se enquadra. Além disso, elas não se limitam aos diagnosticados com autismo - há outros transtornos que também têm, entre os sintomas, agitação extrema e comportamento agressivo.

"É um assunto sério e muito difícil, mas as famílias precisam enfrentá-lo", afirma Ana Maria Mello, superintendente da AMA, instituição que ajudou a fundar há mais de 30 anos. Ela mesmo diz que seu filho, hoje com 39 anos e diagnosticado com autismo na infância, passou a ter crises nervosas na adolescência.

"Ele foi crescendo e entrou numa fase de muita agressividade. No início, ficávamos cheio de hematomas. Foi preciso aprender a segurá-lo sem me machucar e sem machucá-lo", conta Ana Maria, dizendo que as crises agressivas não podem ser tratadas como tabu.

Ela conta que, com o tempo, aprendeu a lidar com os episódios agressivos e descobriu que o filho relaxa fazendo caminhadas.

Entre grades
No caso do britânico Elliot, os episódios começaram a ficar mais violentos quando ele tinha cinco anos. Os pais relatam que, à medida que ele vai crescendo e ficando mais forte, torna-se cada vez mais difícil de controlar as crises.

"Se ele ainda fosse uma criança pequena, seria mais fácil conter um ataque, com ele te arranhando e te chutando", diz Lucy. "Agora, é como se um pequeno homem te atacasse de repente."

A mãe de Elliot explica que ele é violento durante apenas cerca de 5% do tempo, mas que os efeitos das crises estão cada dia piores.

Ian e Lucy tiveram de colocar grades na janela do quarto do menino e trancar a porta para manter ele e os irmãos seguros.
Escola britânica que está ensinando ioga a alunos com autismo para reduzir crises nervos

"Você meio que se acostuma a ver o quarto de seu filho parecer uma cela", diz o pai.

Elliot frequenta uma escola especial, mas os pais afirmam que as autoridades locais - através do Sistema Nacional de Saúde (o NHS, na sigla em inglês) - não lhe dão nenhum tipo de apoio. Segundo eles, a ajuda governamental só é oferecida se o filho ou os pais são hospitalizados ou se a polícia é chamada.

Ela diz que, após ter sido ferida na cabeça pelo menino após uma crise violenta, acreditou que teria mais apoio. "No começo, recebi um pouco de ajuda", diz a mãe, emendando que depois as autoridades tentaram "lavar as mãos" e passaram a oferecer apenas 48 horas de ajuda por ano.

Estratégias
Segundo a OMS, estudos conduzidos nos últimos 50 anos revelam que o número de pessoas diagnosticadas está aumentando no mundo inteiro. As explicações para esse aumento apontam para diagnósticos mais eficientes, mais conscientização e registros mais precisos.

Nos Estados Unidos, um estudo de 2011 indicou que quase metade de 1,4 mil crianças com autismo avaliadas pelos pesquisadores tinha crises muito agressivas e violentas.

Autistas podem, por exemplo, se sentir incomodados com muita informação, luzes brilhantes e barulho.

A BBC Brasil mostrou recentemente que uma escola no norte de Londres, na Inglaterra, está ensinando ioga a alunos com autismo para reduzir suas crises nervosas. Até agora, a iniciativa se provou bem-sucedida.

O site da organização brasileira Entendendo Autismo explica que a agressividade e a irritabilidade podem derivar do fato de que as crianças com autismo, por não entenderem alguns símbolos sociais, não conseguem encontrar formas de expressar em determinadas situações. Elas também costumam ser hipersensíveis ao barulho, por exemplo.

Entre as sugestões para lidar com episódios de agressividade estão levar a criança a ambientes onde se sintam confortáveis e usar jogos ou brinquedos que tenham efeito tranquilizador. Não é recomendável gritar com a criança. E também é importante que ela tenha um acompanhamento profissional interdisciplinar.

O neurologista infantil Clay Brites, integrante do Instituto Neurosaber e do Disapre (Laboratório de Pesquisas em Distúrbios, Dificuldades de Aprendizagem e Transtorno de Atenção), da Unicamp, ressalta que "nem todas as famílias de autistas sofrem com agressividade - há autistas que são excessivamente passivos e propensos, inclusive, a sofrer agressividade e abusos".

"A propensão do Transtorno do Espectro Autista a desenvolver agressividade é gerada pela sua condição, e não por voluntarismo ou maldade", explica ele por e-mail à BBC Brasil.

"Por outro lado, é importante saber que existem casos em que a agressividade, explícita e exagerada, tem que ser conduzida com internações e contenções. Geralmente, ocorrem naqueles casos de TEA severo e associado a comorbidades psiquiátricas como a esquizofrenia, o transtorno obsessivo-compulsivo e o transtorno opositivo-desafiador. É importante sublinhar a importância do diagnóstico e da intervenção precoces para prevenir esses comportamentos em idades mais tardias", agrega.

'Ele é gentil por natureza'
Cameron, de 19 anos, é uma das 700 mil pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista no Reino Unido.

O diagnóstico veio aos três anos de idade, e o pai dele, Douglas Clements, diz que também tem medo das crises do filho. "Muitas vezes não sei como Cameron vai reagir, e é assustador", afirma.

Cameron hoje recebe atendimento diário em um centro especializado. Mas a vida em casa tem ficado cada vez mais difícil, e seus pais estão procurando por um espaço público que abrigue crianças e adultos vulneráveis que fique perto de onde moram em Surrey, na Inglaterra.

Hannah, mãe do jovem, diz que a família não consegue mais administrar o comportamento dele.

"Estou muito chateada, porque o amo muito", diz ela. "Não quero que as pessoas tenham medo dele, porque ele é gentil por natureza", acrescenta a mãe, que diz ser desolador ver o filho ficar frustrado, mas não conseguir explicar o porquê.
Os pais de Cameron estão procurando um lugar perto de casa para o filho, de 19 anos, receber cuidados especiais


'Vamos para a cama aos prantos'

O serviço de saúde britânico informa que estabeleceu "um programa transparente" dedicado àqueles com dificuldade de aprendizagem e autismo para permitir que mais pessoas nessas condições vivam em suas comunidades, "com o apoio certo e perto de casa".

Os pais de Elliot Goldsworthy acreditam que, à medida que o filho envelhecer, precisarão cada vez mais de apoio.

"Há momentos em que vamos para a cama aos prantos", disse Ian Goldsworthy. "Mas você não pode mergulhar nesse sentimento, porque a vida será exatamente a mesma no dia seguinte."

No Brasil
No Brasil, Ana Maria Mello, da AMA, diz que não há nenhuma política governamental para apoiar pais ou autistas. "Para conseguir uma vaga numa instituição é preciso recorrer ao Ministério Público e processar o governo", lamenta, dizendo que tem procurado autoridades para tentar regulamentar práticas e assegurar assistência mínima.

Ana Maria diz que, no Brasil, em casos extremos, autistas são hospitalizados, onde recebem medicamento e às vezes são amarrados numa cama. Ela, contudo, defende abordagens menos intrusivas.

Entre os 350 autistas que recebem atendimento gratuito na AMA, 26 são residentes. Voltam para casa de 15 em 15 dias, para não perder contato com a família. Os outros atendidos passam o dia ou meio perído na associação, que tem sede em São Paulo.

Ana Maria conta que a associação sempre buscou referências e experiências de iniciativas no exterior, em especial sobre as melhores formas de conter as crises nervosas mais severas.

"Logo no início mandamos uma pessoa aos EUA para ver como o assunto era tratado. Lá não se amarra nem se dá medicamento, mas há regulamentação e treinamento", conta.

Ela diz que a AMA tem recorrido ao método americano que usa duas pessoas para conter uma crise com movimentos sincronizados e um programa para melhorar o comprotamento de autistas. "Muitas vezes não se trata só de oferecer atividades relaxantes, mas de é uma questão de ocupar o tempo", complementa.

"É realmente horrível. Você ama seu filho, mas ele pode te machucar", afirma, ponderando que, com as estratégias de contenção e atividades físicas, é possível conter os mais agressivos, reduzir o número de crise e melhorar o comportamento.