sábado, 12 de junho de 2010

O BEIJO DO MIGUEL NAUFEL

Dia dos namorados tem texto de nosso cronista albino, Miguel Naufel, narrando outra de suas aventuras.


Aquele beijo que te dei.

Em 1972, um terrível temporal e um erro de operação destruíram a barragem da
usina hidrelétrica localizada entre os municípios de Mococa e São José do Rio Pardo. Nos anos seguintes, a CESP - Centrais Energéticas de São Paulo - contratou engenheiros e técnicos para reconstruírem a barragem.

Os engenheiros moravam com suas famílias em um condomínio dentro da usina.
Lindo lugar, com casas luxuosas construídas à frente da represa. As águas são de um azul cristalino, deixando o lugar ainda mais belo.


A outra margem é repleta de montanhas verdejantes que despontam para o céu.
O condomínio tem um campo de futebol, restaurante, salas de ginástica,
piscina e um lindo salão de festas com vista panorâmica para a represa.

Fui contratado para sonorizar o baile do dia dos namorados no salão de festas do condomínio.

Nessa data, meus amigos compravam flores, perfumes, bombons e presenteavam as namoradas... Como eu não tinha namorada para presentear, não tinha ninguém pra abraçar e beijar, ficava deprimido. Então, dediquei todo meu carinho à seleção de musicas que tocariam no baile.

Chegamos ao condomínio por volta das 18h, eu e um querido amigo, chamado Paulo Guilherme. Ao entrarmos no salão de bailes nos surpreendemos. A decoração estava linda: flores de todas as cores muito bem distribuídas, mesas com toalhas e velas brancas perfumadas. Ao fundo, aquela represa de um azul celestial e na outra margem as montanhas se inclinando para o céu.Até para alguém com baixa visão, como eu, era um quadro inesquecível!

Em menos de uma hora montamos todo o equipamento de som e a iluminação. Logo, começou o baile...

Paulo Guilherme era um boa-pinta: moreno alto barba rala e bom papo. Logo conquistou uma gatinha e começou a dançar as lindas musicas românticas no baile do dia dos namorados.

No equipamento de som havia gravadores AKAI com fitas de rolo. As fitas duravam mais de 2h. Com o som equalizado e as lâmpadas reguladas eu podia ficar observando todo o movimento... Observava as meninas que andavam e dançavam pelo salão.

Em uma fração de segundos, virei-me para a direita. Lá estava ela me observando...
Desci alguns degraus ate a pista de dança e ficamos frente a frente. Como tenho baixa visão, só então pude ver com detalhes o rosto da garota.

Ela era linda. Cabelos loirinhos, olhos azuis, pele clarinha traços delicados. Em um impulso, levantei minhas mãos, acariciei o seu rosto bem de fronte ao meu... Fechei meus olhos e instintivamente colei minha boca à dela.

(Foi como um sonho, um minuto mágico em toda a minha vida.)

Ela simplesmente correspondeu ao meu beijo.

Ao abrir os olhos, vi aquele lindo rosto e ao fundo a lua que refletia nas águas
da represa. Ai, a garota se virou e sumiu no meio do salão, misturando-se com as outras pessoas, deixando apenas aquele perfume inesquecível.

Era uma noite linda de luar...

Algum tempo depois, as obras na barragem terminaram e os engenheiros foram embora.
Nunca mais vi a garota...

Tenho dificuldades para guardar detalhes de fisionomias, mas nunca mais me esqueci do rosto que beijei no dia dos namorados.

Nunca mais esquecerei o beijo que te dei.

Miguel_naufel@hotmail.com
Miguel José Naufel

(Beija eu, beija eu, beija eu, me beija...)

2 comentários:

  1. MIGUEL... BRAVO, BRAVO... ADOREI MESMO...VC É UM DOCE ! MEIGO E AMIGO!
    LENA

    ResponderExcluir