segunda-feira, 28 de outubro de 2013

CAIXA DE MÚSICA 107


Nos anos 80, Lulu Santos cantava sobre o sonho de ir à Califórnia, viver a vida sobre as ondas e ser artista de cinema. O estado mais rico da federação norte-americana fascina desde a corrida do ouro, em meados do século XIX. Depois, ofuscou o mundo com as lantejoulas e diamantes de Hollywood.
Em termos musicais, porém, quem comandava gostos era Londres e Nova York, pelo menos até a segunda metade dos anos 1960. Parcialmente inspirados pelos Beatles, um grupo de artistas mudaria esse cenário e transformaria LA no centro mundial da canção. Essa é a história contada pelo documentário inglês Hotel California: LA from The Byrds to the Eagles (2007).
Ignorando os Beach Boys, o programa afirma que a partir do rock com pegada folk dos Byrds, a cidade passaria a ser viveiro de grandes artistas que primeiro tinham um tom mais politizado, mas com os desastres de 1969 – assassinato de Bob Kennedy, Sharon Tate e Martin Luther King – assumiram postura mais individualista e confessional, como Carole King, Joni Mitchell e James Taylor, mas sempre mantendo a acusticidade e a proximidade com as raízes folk, country e bluegrasss da cultura norte-americana.

Hotel California: LA from The Byrds to the Eagles adota o tom típico de relatos do gênero: conta a história em termos de gênese heroica e idealista, passando pela fase da aceitação e apogeu, desembocando na decadência e ruína. Esse último estágio é representado pelo country rock desavergonhadamente comercial e calculado pra vender da banda Eagles, para a qual o disco de platina foi inventado, tamanhas as vendas de seus álbuns.  
Muito mais familiarizado com o rock progressivo britânico, assistir ao programa foi muito educativo pra mim, até porque a Inglaterra viveu sua era folk no mesmo período (lembram-se quando escrevi sobre a banda Gryphon, aqui?). Também serviu pra que eu contextualizasse melhor a revolta punk nos 2 lados do Atlântico. Onde já se viu o acústico, supostamente politizado e rural Crosby, Stills, Nash and Young fazer turnê mundial com aviões e helicópteros particulares?
Sem querer, o documentário revele a cruel dicotomia racial que cindia a sociedade norte-americana. Não vemos sequer um artista negro na retomada da Americana. Por mais importante que tenha sido esse movimento, era um de classe-média caucasiana.
Hotel California: LA from The Byrds to the Eagles relembra artistas que já na minha adolescência passavam meio batido, então recomendo pra quem quiser se inteirar de obras tão importantes.
Sem legendas, viu?

Nenhum comentário:

Postar um comentário