terça-feira, 27 de agosto de 2013

TELINHA QUENTE 88


Roberto Rillo Bíscaro
O You Tube é fascinante. Quando se entende mais idiomas além do nosso, a coisa fica mais excitante. Na última semana, descobri coisas oitentistas interessantes.
Nunca esqueci dum telefilme visto no SBT, há mais de 2 décadas, sobre uma família que se vê presa em casa, onde a temperatura aumenta e uma gosma esverdeada ganha espaço. Tentam escapar do emparedamento, mas constatam que tudo na residência leva o logo da mesma corporação e que não possuem memória, vivem um presente eterno. Suspense que tem a dizer sobre comodificação e o estatuto da pós-modernidade, sem proselitismo. Uma das possibilidades aventadas pelo casal é uma guerra nuclear. Viu só, jovens de agora, como o holocausto atômico estava em nosso dia a dia oitentista?
Não é que achei sem estar procurando? E em português! O original chama-se Chlid's Play (nada a ver com o boneco Chucky) e é parte duma telessérie da Hammer, importante produtora de terror inglesa. A protagonista é Mary Crosby, a Kristin, de DALLAS, notória nos 80's por haver atirado em JR.

Em 1987, a Fox estreou sitcom estrelada por George C. Scott. Mr. President centrava-se no recém-eleito presidente estadunidense (Scott, claro) e seus problemas. Ao contrário de Married With Children, que estreou junto e virou clássico cult, Mr. President durou 2 temporadas e foi esquecida. Como George C. é um de meus heróis da telona, vibrei quando descobri 2 episódios da segunda temporada, em inglês, sem legendas. 
Hoje, a emissora cortaria Mr. President antes do sétimo episódio (se tanto). A carreira cinematográfica do brigão Scott devia estar em baixa mesmo pra ele aceitar material tão sem graça. Um dos episódios, Language Barrier, é especialmente ofensivo. Recebendo o premier russo na Casa Branca - após os EUA terem feito algo errado! - o presidente aproveita que o líder soviético não fala inglês e insulta a ele e sua esposa. Imperialismo grosseiro.
Pra quem quiser reviver ou conhecer o clima de afronta cultural da Guerra Fria, eis o episódio.

O filé mignon deixei por último: telefilme com Anthony Hopkins, exibido pela CBS, em 1985. Guilty Conscience é suspense cheio de reviravoltas no roteiro, mas com jeitão de teatro filmado, porque quase toda a ação se passa em ambiente fechado.
Um advogado de sucesso bola planos mirabolantes pra assassinar a esposa e mentalmente se coloca em julgamento pra testar a validade dos argumentos, álibis etc. Hopkins dá seu show de costume, interpretando mais de um papel. O pequeno elenco todo está ótimo; Guilty Conscience é filme de ator. Destaque pras roubadas de cena de Swoosie Kurtz, mãe de Molly, da sitcom Mike & Molly
Em inglês, sem legendas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário